Gosto pelo estudo cai no ensino médio

dayofgeography21
4º GEO DAY – Dia 16/05/2016 – Local de Realização: CAB e Pituaçú
05/12/2016
rev_image
Eletrotécnico multiplica salário por dez
05/12/2016

Gosto pelo estudo cai no ensino médio

maxresdefault

Gustavo Morita

Gestores assistem à apresentação de pesquisa sobre os desejos e visões das crianças e adolescentes, no Fórum Revista Educação

O imaginário popular já diz: criança não gosta de estudar. Para desvendar essa e outras questões sobre o que pensam e querem as crianças e adolescentes, a Multifocus Inteligência de Mercado realizou uma pesquisa com 507 estudantes de escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio, em 12 capitais brasileiras. O resultado? Apenas metade dos jovens brasileiros entrevistados declarou gostar de estudar. Segundo a pesquisa, apresentada no Fórum “Como (re) construir a escola do século XXI”, promovido pela revista Educação, com o apoio do UNO Internacional, em parceria com a Corus Consultores e a Perello Sociedade de Advogados, os alunos do município de São Paulo são os que menos gostam de estudar: apenas 37%.

Já a diferença entre os estudantes das redes pública e privada é mínima. Na média Brasil, 52% dos alunos de escolas públicas declararam ter gosto pelos estudos, enquanto na rede particular o número foi de 51%.  Em São Paulo, a diferença cresce um pouco, sendo 38% as crianças e jovens da rede pública que gostam de estudar, contra 33% da rede privada. Nota-se, no entanto, que com o passar dos anos o gosto pelo estudo diminui entre os alunos. 56% das crianças de ensino fundamental declararam que gostam de estudar; já no ensino médio, esse número cai para 42%.  A pesquisa completa pode ser vista aqui.

Desoneração

Outro tema debatido na última terça-feira (4), durante o Fórum Revista Educação, foi a desoneração da folha de pagamento de escolas particulares. A discussão, que já foi levada ao Congresso Nacional pela Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), teve início com uma Medida Provisória que permite a alguns setores da economia, como o têxtil, o de pães e massas, call center e equipamentos médicos, entre outros, substituírem a contribuição ao INSS de 20% da folha de pagamento por uma contribuição baseada em alíquotas de 1% ou 2% sobre a receita.

Fernando Barão, da Corus Consultores, questionou os presentes: “quais as razões da educação não ter sido beneficiada, mesmo tendo uma importância estratégica maior que os outros setores?” Para ele, além de não existir uma articulação grande do setor educacional, o problema está na origem da política de desoneração. “A política visa aumentar o PIB e conter a inflação, por isso a indústria é uma das mais beneficiadas”, argumenta. Veja aqui a apresentação de Fernando Barão sobre a política de desoneração. Os efeitos do aumento das cotas para 50% nas universidades públicas também foi objeto de debate no fórum, em apresentação do economista Fernando Botelho.

Avaliação

Educar para o Enem ou educar para a vida? Com esse questionamento, Priscila Cruz, diretora executiva do Todos Pela Educação, abriu a mesa de debates sobre a utilização do exame como principal parâmetro para a formação dos estudantes. Priscila ressaltou três pontos determinados pela própria Constituição Federal: a educação deve visar o desenvolvimento pleno da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. “O Enem não contempla tudo isso. Ele avalia apenas um recorte das habilidades cognitivas dos estudantes”, explica.

Pablo Doberti, diretor do Uno Internacional, acredita que há uma preocupação excessiva das escolas em relação ao exame. “O sistema educacional hoje vive obcecado pelo Enem e pelos vestibulares”, destaca.

Gustavo Morita

Pablo Doberti, Priscila Cruz, José Pacheco e Eugênio Cordaro: educar para o Enem ou para a vida?


Na opinião de Pacheco, o Enem serve apenas para medir a capacidade de memorização a curto prazo dos estudantes. O educador também faz críticas às avaliações de larga escala aplicadas no país, como a Prova Brasil, e discorda da adoção do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) como uma medida de qualidade educacional.Já José Pacheco, educador e ex-diretor da Escola da Ponte, em Portugal, questiona a própria existência do Enem. “O que esse exame avalia? Ele é uma avaliação mesmo ou apenas classificação?”, pergunta. O educador português defende a extinção das provas das escolas. Atualmente ele participa do Projeto Âncora, em Cotia, que mantém uma escola inspirada no modelo da Escola da Ponte. Ele garante que seus alunos são avaliados, mas não por meio de provas.

“Nós temos hoje um excesso de diagnóstico, mas fazemos muito pouco com os resultados”, concorda Priscila Cruz. No entanto, ela discorda do educador português em relação à extinção das provas e ao uso do Ideb. “A criança tem que aprender a fazer prova, porque querendo ou não ela vai se deparar com essa situação ao longo da vida”, opina. Quanto ao Ideb, ela acredita que o índice foi um dos propulsores para a melhora, ainda que tímida, de muitas redes. “Acho que temos que repensar as avaliações e ter uma visão crítica em relação a elas, mas não radicalizar e acabar com tudo”, ressalta.